CINEMA MUDO

Olhando o amor,
estendido nos pastos,
se fechas um olho terás uma estampa chinesa.

Onde está a China?
Minha mãe tinha uma janela e não pôde ver a China.

A máquina 7 passou pelo céu dizendo adeus.

Passou um amendoinzeiro vendendo amendoim. Adeus.

Não era um amendoinzeiro: desconfia das nuvens que jogam amendoins.

Baixou um cavalo
e no céu a égua espera encostada dizendo amor.

Está passando um enterro,
o morto queria ir caminhando
porém que compreenda que compreenda lhe disseram.

Lhe disseram que a greve continuava ante a tropa e a bala.

Adeus. Último adeus. Adeus plantando um pedaço de pasto.

Como te chamas? Não quer falar.

Como minha mãe quando olha por sua janela.

Não tenhas medo. Em sua memória
as éguas postergaram suas bodas de branco.
Eles estão esperando notícias
e charmoso é o ofício do carteiro sob a terra.

São brancas as ruas sob a terra?
Saúda ao meu Irmão,
que plantei um pedaço de pasto, assim lhe dizes.

CINE MUDO

Mirando el amor,
tendido en los pastos,
si cierras un ojo tendrás uma estampa china.

¿Dónde está China?
Mi madre tenía una ventana y no pudo ver China.

La máquina 7 há passado por el cielo diciendo adiós.

Pasó un manicero vendendo maní. Adiós.

No era un manicero: desconfia de las nubes que arrojan maní.

Há bajado un caballo
y en cielo la yegua espera acostada diciendo amor.

Está passando um enterro,
el muerto queria ir caminhando
pero que compreenda que compreenda le dijeron.

Le dijeron que la huelga continuaba ante la tropa y la bala.

Adiós. Último adiós. Adiós levantando un manojo de pasto.

¿Cómo te llamas? No quiere hablar.

Como mi madre cuando mira por su ventana.

No tengas miedo. En tu memoria
las yeguas han postergado su boda de blanco.
Ellos están esperando noticias
y hermoso es el oficio de cartero bajo la tierra.

¿Son blancas las calles bajo la tierra?
Saluda a mi Hermano,
que levanté un manojo de pasto, así le dices.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *